PARTICIPANTES

01 - Ilze Soares
02 - Marcial Salaverry
03 - Yara Nazaré
04 - Rita Rocha
05 - Mario Matta e Silva
06 - Maria Tomasia
07 - Beki Bassan
08 - Humberto Poeta
09 - Mifori
10 - Gildina Roriz
11 - Rosenna
12 - Maria José Zovico
13 - Flavio Ximenez Gallego
14 - Su Simon
15 - José Hamilton da Costa Brito
16 - Heloisa F. Abrahão
17 - Rute Seubert
18 - Cássia Vicente
19 - Jose Ernesto Ferraresso

 

 

 

CHUVA DE AMOR

Ilze Soares

Chuva deliciosa que cai sobre nós
Encharcando nossos desejos
Excitando nossas almas
Despertando libidos...
Esperamos tudo passar ?
Não!
Essa chuva de amor
Nos braços um do outro
vamos aproveitar.
Sem demora a nos separar...

 

 

A CHUVA QUE CAI

Marcial Salaverry

A chuva caindo,
seu sorriso surgindo...
Procuravas carinho,
surgi em teu caminho...
Para aplacar teus desejos,
ofereço-te meus beijos...
Ouça como bate o coração,
por viver esta grande emoção,
de ter-te entre meus braços,
recebendo meus abraços...
dando-te calor,
o calor do amor...

 

 

UM SORRISO NA CHUVA

(Yara Nazaré - 14/04/2004)

Cai uma chuva miúda
Vejo o céu a sorrir
Sinto cada gota fria
Com o vento a sibilar
Na leveza da sua brisa
E um tom suave escuto
Como se quisesse me dizer
Que tudo vale a pena
Mesmo que a chuva miúda
Possa o volume aumentar.

As águas sulcam o caminho
Por onde tento passar
Mas lá ao longe avisto
Do sol, um raio de luz
É a esperança que surge
Leva embora meu cansaço
Sigo pela estrada a cantar
A chuva miúda se esvai
Faz minha alegria voltar!

 

 

A Chuva

Rita Rocha

Gosto do barulho de chuva
quando bate no meu telhado
molhando até as janelas
e o sótão envidraçado.

Vejo tudo que acontece...
os raios cortando o espaço,
a chuva caindo forte,
alagando o meu terraço.

Não tenho medo de chuva!
É até um belo espetáculo.
A natureza lavando em prantos
as manchas dos meus pecados.

A chuva molhando o chão
tem mesmo é cheiro de infância.
Cai chuva no meu coração.
pra me lavar esta ânsia.

 

 

Amar Na Chuva

Mario Matta e Silva

De braço dado contigo
sinto a chuva em nós
e um sorriso amigo
enche-nos cá dentro de sol
gritando à chuva o quanto te amo
numa misturada ternura
a que eu agora chamo
amor pleno
a envolver-nos meigamente
numa ânsia reluzente
que nos afaga
o corpo meigo e sadio
por onde escorrem as nuvens
que nos abençoam
num pranto vazio
lá bem do alto.

 

 

A CHUVA

Maria Tomasia

Eu fui, por Deus, enviada,
para o seu coração aliviar
de anos de sofrimento
- a ele eu vim curar!

Você precisa voltar
a amar e ser feliz
porque ninguém pode viver
preso ao passado... e infeliz.

Olhe para os meus pingos,
mais parecem fios de prata
- de curar, eles tem o poder,
para você deixar de sofrer!

Faço bem a todas as pessoas.
Comigo, as lavouras crescem,
os jardins, também, florescem
- trago alegrias para quem é triste!

 

 

A CHUVA QUE CAI

Beki Bassan

Era tarde da noite,
eu com saudades te esperando...
a chuva caindo... caindo...
eu querendo ficar abraçada contigo,
mas você não veio naquele dia.
Sinceramente foi uma grande decepção.
Mas nada é por acaso,
quando ia embora naquela chuva,
surge um rapaz alto e charmoso,
oferecendo-me o seu guarda-chuva.
Assim, saímos de lá e aproveitamos à noite.
Devo dizer que foi muito gostoso,
e lembrou-me a linda música
"Singing in the rain"
No dia seguinte quando você telefonou,
senti que tinha perdido aquele algo mais,
seu coração não significava mais quase nada.
Assim dispensei seus carinhos e beijos
e fui viver um novo e acalentado amor.

 

 

O GUARDA-CHUVA

Humberto Rodrigues Neto

Debaixo de uma forte chuvarada,
receosa de ficar toda molhada,
no guarda-chuva ela aceitou carona...
E em tais espaços, tão reduzidinhos,
ficamos ambos bem agarradinhos,
eu e aquela estupenda cinquentona!

Para recompensar o meu favor,
ela beijou-me até com certo ardor,
dizendo que era só, triste e viúva...
E depois de escrever um apontamento
instou-me a visitar seu apartamento,
num prédio da Quintino Bocaiúva.

Uns dias depois, co’a alma deslumbrada,
fui ver minha provável namorada,
que me tratou com toda fidalguia...
Para privar de sua solicitude
eu já a preencho, bem mais amiúde,
de algo que falta na sua anatomia.

Folgazão, sem perigo ou qualquer risco,
passei a saborear o bom petisco
que me oferece tão gentil viúva...
E a sorte de ter n’alma tal enlevo,
por toda a vida agradecer eu devo
ao meu querido e velho guarda-chuva!

 

 

CHUVA DE AMOR

Mifori

Se a chuva é de amor traduz:
emoção, felicidade;
mas, se é de paixão, conduz,
a uma falsa saciedade.

É o amor em chuva fina,
chuva de amor em seresta;
num coração de menina
que se alegra e que faz festa.

Pensamento: Quando há chuva de amor,
a alegria se espalha no ar,
trazendo muita paz e união.

(31/07/14)

 

 

Brincando na chuva!

Gildina Roriz

Quero nessa chuva brincar...
Nos respingos do amor me envolver.
E... Ao teu lado feliz me molhar!

Um novo dia vai nascer!
Convido-te ! CHOVE AMOR,
Vem comigo bailar e correr.

Se essa chuva de amor nos alcançar
Sempre juntos iremos ficar!


Gildina Roriz (Magy)

 

 


CHUVA

Rosenna

Hoje está chovendo...
estou lembrando-me do passado.
lembrando-me de você...
Chove nesta tarde
e na solidão...é que te espero,
mas... não vens a mim.
Talvez não soube reter
esse carinho que me oferecias
essa chuva de amor incondicional!
que minha inconsciência
deixou ir embora...
como vão as gotas de chuva ao chao...
Agora já é tarde,
só ficou do passado a chuva...
como a desta tarde...
Hoje chove...
também...na minha alma
E não é chuva de amor!!..

Rosenna
Buenos Aires-Argentina

 

 

A CHUVA CAI...

Maria Jose Zovico

A chuva cai sobre o telhado
E, vai lavando as poeiras...
Vejo teu rosto amado,
Estampado nas goteiras...

A saudade vai chegando,
Como chuva persistente...
Devagar vai se instalando,
Na alma angustiada da gente!...

Gostaria que voltasses,
Na chuva, como partiste...
E nunca mais olvidasses,
Um amor tão grande e triste!...

É... da chuva só me lembro,
Que um dia te levou embora...
Nem sei se era dezembro
Mas... não faz diferença agora!...

Maria José Zovico - Zezé

 

 

Chuva

Flávio Ximenez Gallego

Sou um velho que gosta de chuva !
Velho ?
Eh ! Eh ! Ledo engano !
Velho é aquele que se sente velho !
Minha velhice é só na certidão de Nascimento !
Se gosto Sol e não fujo dele, não sou velho !
Se gosto de chuva, ainda mais, e dela não fujo,
também não sou velho !
Mas, chuva é comigo ...
Da chuva miudinha, que não para mais ...
à chuva ventania ... que carrega tudo
e apronta a maior zoeira !
mas não me carrega não, pois levo ancora e cabo de aço !
E gosto tanto de trovão, claro, sou filho de Xangô !,
pois com seu rugido expulsa toda energia ruim
que quer envolver a terra !
E o granizo ? que lindo ! deixa o piso branquinho,
quase que nem neve !
Só que no granizo não saio, não por ser geladinho,
mas por ser perigoso ...
De chuva gosto, de frio não !
A chuva tudo limpa, tudo renova,
o frio estorva, amarra, afugenta,
não há nada que me esquenta ...
a não ser ...
a minha Mulher amada !
Eu sou Flávio, aquele que sobreviveu por duas horas em Gramado e ... basta !

 

 

Dupla sedução

Su Simon

Foi num sábado à noite, daqueles!
A chuva caia torrencialmente...
Encontro marcado
Ansiedade a mil.
E a chuva
Ah! A chuva
não parava de cair
Vou, não vou?
Fui!
Roupa legal,
cabelo alinhado,
unha feita
maquiagem
e combinando com tudo:
O guarda chuva!

Cheguei, chegou
Ele também,
com um terrível guarda chuva preto:
Sem graça, sem glamour, sem noção...
Mas a alegria foi tanta
que esquecemos a chuva,
vivemos o amor:
Abraços, beijos, segredinhos
a dois.
E os guarda-chuvas ali...
Como que assistindo as cenas
picantes de um momento de amor!
Hora de ir embora...
A chuva... Ah! A chuva
já tinha passado
e os guarda-chuvas
ali a nos espreitar,
esquecidos num canto
Felizes também
a se amarem...

 

 

DIA DE NIVER

José Hamilton da Costa Brito

Ainda era cedo, vontade de levantar......
Nem que o juízo final estivesse sendo anunciado.
Tampouco que os serafins e querubins estivessem ao pé da cama.
Os anjos não apareceram.
Lembranças de dívidas, sim.
Abri a janela, o sol encheu o quarto de vida.
Oito horas, trabalhar era preciso, assim como navegar...
De repente o telefone toca:
Oi, e aí, tudo bem...como?...pô, obrigado...
E não é que era dia de niver?...é, o meu.
-que presente você quer ganhar?
Na ponta da língua, a resposta: você
Após os sei lá.não sei, vou ver...na mosca.
Escolhemos um apartamento que...deixa pra lá...
Não nos falamos, nem precisava...nossos olhos...
Como esta prosa não faz barulho e as peças são leves...
Como caiam, iam mostrando: pele enrugada, suor
Aquele, que não incomoda...só combustível.
Tivemos nossas mútuas entregas, momentos...bem, você sabe.
Uma porta para o jardim de inverno, mostrou
tudo mudado. Céu escuro,tempestade das boas...e caiu.


Vento forte, frio, raios, trovões, natureza em fúria.
Um pensamento ocorreu em ambos e ao mesmo tempo
Só que o diabo dela foi mais rápido que o meu.
-Vamos fazer amor lá fora, na tempestade?
Pô, assim assim...acabei cedendo...minha nossa!
A natureza do nosso amor prevaleceu;
a outra...tava lá.
Fogo que é fogo, não apaga com qualquer tempestade.
Nossa performance inibiu o tempo.
Quantas vezes dois corpos se tornaram um só...um monte.
Nunca ninguém conseguiu tanto equilíbrio
Em posições tão diametralmente opostas.
Se doeu, ninguém sabe, ninguém sentiu.
...com nossos corpos fundidos, dormimos.
Ao acordar ali no jardim, tínhamos companhia.
O sol...lá estava ele....com uma cara de safado...

 

 

Chuva do amor.

Dia claro, o tempo prometia,
Tudo mudou, o sol se escondeu.
Nuvens pesadas apareceram.
Corri, quase cai e os pingos a surgir.
Aconteceu um esbarrão,
Braços forte me agarraram.
Coincidência? Destino?
O homem dos olhos azuis, me abraçava.
A chuva cai, cada vez mais forte.
Ele sorria, minha camiseta branca
Ficou transparente assim como nossos sentimentos.
Essa chuva abençoada nos uniu, passou o frio.

Heloisa F. Abrahão (SC)

 

 

Chuva de Amor

Rute Seubert

Bom seria se caísse chuvas de amor!
Espero por este amor a cada chuva que cai.
Mas tudo fica cada vez mais distante.
Minha alma chora na espera deste milagre,
rogo e peço por favor.
Chuva traga meu amor que contigo levastes
e não me deste de volta.
Então poderei dizer, esta chuva é de amor,
vou ter um belo recomeço para amar.

 

 

CHUVA DE AMOR

Cássia Vicente

...e cai a chuva lá fora,
mansa, refrescando o tempo...
...e na varanda,
dois corpos se enroscam na rede...
...os pingos respingam na rede
e os corpos nem se importam...
...se amam...

 

 

Acorda! ... Fora Chove!

José Ernesto ferraresso

Acorda amor!
Olhe! A chuva nos
convida para dançar.
Dançar na chuva é
excitante momento
de paixão, desejo e tesão.
Venha celebrar nosso encontro
sensual, molhado, de pingos
mágicos e de furor.
Nosso encontro molhado,
insano e de sensação
estranha é excitante,
A chuva revela momentos de
volúpias, e incita enlear
em seus braços para desejar,
saciar e te amar .

Serra Negra/SP
03/08/14

 

 

Edição Mara Pontes

 

.~.~.VOLTAR.~.~.